logo_mco_2023_200X75
logo_mco_120X45

Publicidade

Publicidade

Caprichoso e Garantido disputam título do Festival de Parintins nesta segunda-feira.

COMPARTILHE

O 57º Festival de Parintins foi marcado pela disputa entre os bois Garantido e Caprichoso, cujo campeão seria conhecido em uma votação nesta segunda-feira, 1º de julho. Essa festividade, realizada no município de Parintins, no interior do estado do Amazonas, é um evento que envolve toda a cidade e seus habitantes, que se dividem entre apoiar um dos bois.

Para quem visita o Festival de Parintins pela primeira vez, é necessário um tempo para se familiarizar com o vocabulário específico do evento. Palavras e termos indígenas são comuns e fazem parte da tradição cultural do Boi-Bumbá, que é considerado patrimônio cultural do país pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

As apresentações no Bumbódromo, arena onde ocorrem as disputas entre os bois, começaram na sexta-feira e se estenderam até o domingo, contando a história da ressurreição do boi por meio de seus personagens principais. O Amo do Boi, a Sinhazinha e a cunhã-poranga são alguns dos personagens emblemáticos que ganham destaque durante as encenações.

Além dos personagens, as toadas desempenham um papel fundamental nesse evento cultural. Anualmente, novas toadas são produzidas para embalar as apresentações, e muitas delas trazem palavras indígenas em sua composição. Um estudo realizado na Universidade do Estado do Amazonas demonstrou a importância das palavras indígenas nas toadas, que contribuíram para a expansão e consolidação do Festival de Parintins ao longo dos anos.

Nesse contexto, as galeras, que são as torcidas dos bois, também possuem suas peculiaridades em termos de vocabulário. Os adeptos do Boi Garantido são chamados de encarnados ou perrechés, enquanto os apoiadores do Boi Caprichoso são conhecidos como marujeiros. A paixão por um dos bois é transmitida de geração em geração, e muitos marcam presença no festival todos os anos, como é o caso do perreché Raimundo Medeiros, que viajou 16 horas de barco de Manaus até Parintins para torcer pelo Boi Garantido.

A cultura e a tradição envolvendo os bois de Parintins são valorizadas e celebradas durante o festival, que atrai moradores locais e turistas de todo o país. Com suas apresentações coloridas, musicais e emocionantes, o Festival de Parintins mantém viva a história e a identidade cultural da região amazônica.

Com informações da EBC
Fotos: © Fernando Frazão/Agência Brasil / EBC

0

LIKE NA MATÉRIA

Publicidade