logo_mco_2023_200X75
logo_mco_120X45

Publicidade

Publicidade

São Paulo inaugura central de vigilância com reconhecimento facial em várias regiões da cidade.

COMPARTILHE

A prefeitura de São Paulo marcou o dia 4 de julho de 2024 como a data de inauguração da central de monitoramento do Smart Sampa, um sistema de câmeras equipado com tecnologia de reconhecimento facial. Desde então, 13 mil câmeras já foram instaladas em diversos pontos da cidade, principalmente na região central. A expectativa é de que até o final do ano a capital paulista conte com 20 mil equipamentos de vigilância.

Todas as imagens captadas pelas câmeras são centralizadas nesse novo espaço inaugurado. O sistema está interligado com o banco de dados de pessoas desaparecidas da Secretaria Municipal de Direitos Humanos. Dessa forma, sempre que o reconhecimento facial identifica alguma semelhança entre o rosto registrado e o de uma pessoa filmada na rua, é emitido um alerta que é imediatamente verificado por um agente de segurança municipal.

Não apenas isso, há também planos para a integração do sistema com o cadastro de pessoas procuradas pela justiça do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O prefeito Ricardo Nunes afirmou durante a cerimônia de inauguração do Smart Sampa que as assinaturas necessárias está para ser finalizadas e a integração deve começar ainda neste mês.

No entanto, vale mencionar que o uso do reconhecimento facial tem gerado questionamentos por parte do Tribunal de Contas do Município (TCM) e até mesmo em ações judiciais. O projeto chegou a ser suspenso, mas posteriormente liberado, com o juiz Luis Manuel Fonseca Pires citando a preocupação com a violação da Lei Geral de Proteção de Dados. Por outro lado, a relatora do processo na 3ª Câmara de Direito Público, Paola Lorena, destacou que não havia evidências de discriminação social e racial com a implementação do sistema de videomonitoramento.

Além disso, uma medida para ampliar a segurança na cidade foi a abertura para que locais privados com câmeras voltadas para a rua também se integrem ao sistema. A previsão é que mais 20 mil câmeras privadas sejam incorporadas, somando um total de 40 mil equipamentos monitorando a cidade de São Paulo. Durante o lançamento do projeto, algumas estatísticas preliminares já foram apresentadas, como a identificação de sete pessoas desaparecidas e mais de 80 prisões realizadas. A promessa é que, quando o sistema estiver totalmente operacional, as pessoas com mais de 90% de similaridade com foragidos serão abordadas.

Dessa forma, o Smart Sampa representa um avanço na segurança pública da cidade de São Paulo, utilizando tecnologia de ponta para monitorar e proteger os cidadãos. A integração de sistemas e a ampliação da vigilância prometem contribuir para a redução da criminalidade e o aumento da sensação de segurança na região. Espera-se que, com o pleno funcionamento do sistema, a cidade se torne um ambiente mais seguro e eficiente em sua vigilância.

Com informações da EBC
Fotos: © Rovena Rosa/Agencia Brasil / EBC

0

LIKE NA MATÉRIA

Publicidade